sábado, 21 de maio de 2011

Nas malhas de ficção

Escrevo, e escrevo, e escrevo. Lentamente. Não como antes em que a escrita compulsiva tomava conta de mim e me fazia redigir páginas e páginas seguidas sem parar para respirar. Agora é uma coisa mais serena, talvez por ter crescido, muito provavelmente porque agora já não há público e o faço para mim mesma.
Enquanto escrevo, vou escondendo, detrás de cada palavra uma história por contar. Por trás de cada momento um segredo bem guardado. Tapando com mil frases, disfarçando com outros nomes, outras caras e outros acontecimento, a catarse que preciso.

1 comentário:

Álvaro disse...

Se achares que não tens publico, estás muito errada...Tens-me a mim e seguramente, ainda que não saibas...Tens mais gente que deu, dá e dará por conta do que tem à frente quando estás tú :) beijinhos minha susaninha, do teu Álvarinho ou José Mourinho, e, sobretudo...CON MUCHO CARIÑO :)

(PS:continua a escrever, que o fazes mesmo muuuito bem, embora eu não escreva tão bem e dei tantos erros como dou, continuarei a te animar por aqui)